sábado, 22 de maio de 2010

Avatar Voz do Além

O vazamento de petróleo, visto do espaço…

 

image

Sabe aquelas burradas feitas por poucas pessoas que trazem consequências para uma pá de gente? Tipo um maldito bêbado que inventa de dirigir, entra na contra mão e mata uma família que vinha em outro carro?! Então, fizeram isso num nível praticamente mundial, ao permitirem que tamanha poluição se espalhasse pelo oceano, provindo da exploração petrolífera. A imagem acima, tirada de um satélite e comentada pelo comandante da Estação Espacial Internacional ("Parece assustador. Não é nada bom. Eu não me sinto... bem em relação a isso", disse ele), demonstra bem o tamanho da besteira cometida sob condições obscuras numa plataforma da British Petroleum - e que até agora não tem solução em vista, enquanto o óleo continua poluindo o mar.

De acordo com comentários dos leitores do Gizmodo, a mancha acima (devidamente contrastada pelo mesmo blog, na imagem abaixo) possui cerca de 500 Km de largura, algo como o litoral do Paraná, São Paulo e parte do Rio de Janeiro. E isso é apenas parte do problema, que aparentemente não está sendo divulgado da forma correta.

E tem gente que ainda reclamava da Petrobrás, na época que ela só fazia burrada, provavelmente para ser privatizada, como todas as empresas estatais importantes do Brasil.

 

image

[Via Gizmodo]

3 Comentaram...

ANDRE FELIPE disse...

Em relação a mancha de petróleo fica ai mais uma questão do pré-sal brasileiro ser explorado para conseguir a auto-suficiência dos daquela fonte de energia, o que para mim é um erro. Sendo que o país tem condição de fontes mais limpas e renováveis, como o biodiesel e o álcool. Seria melhor esperar alguns anos para que se tenha uma tecnologia de extração de petróleo confiável que reduza os riscos de derramamento a quase zero.

Panthro disse...

Eu trabalho no ramo de petróleo e posso dizer que dá uma raiva MUITO extrema de ver uma cagada dessas. Existiam pelo menos 4 barreiras de segurança pra evitar que isso acontecesse que foram negligenciadas. O problema não foi a exploração. O problema foi a ganância extrema. No Brasil, ao invés de tentar manter a plataforma conectada, mesmo com o mar alto, o que acabou arrancando os sistemas de contenção do fundo do mar, simplesmente se desconectaria, esperaria a tempestade passar e se voltaria a perfurar depois. Claro, isso custaria MUITO caro. Coisa de 600 mil dólares por dia. Mas é melhor pagar a conta que correr o risco de acontecer uma merda dessas.

Pena que nem todas as empresas pensam da mesma forma.

Panthro disse...

E só pra complementar o comentário do colega: Nós não temos fontes mais limpas ou renováveis. A produção de álcool no Brasil não é suficiente nem pra frota de carros e não existem motores possantes que rodem a álcool pra sustentar o modelo idiota de transporte de alimentos que nós escolhemos (eu acho que trens seriam muito melhores que caminhões, mas eu não mando em nada).

O biodiesel ainda é só experimental. A Petrobrás está colocando uma grana pesada nisso e em energia eólica, mas ainda não tem nada pronto. O maior problema do biodiesel é a necessidade de metanol na extração, que é tão ou mais poluente que a produção de petróleo. E no final das contas ainda é produto pra combustão.

Carros híbridos, por exemplo, consomem muito menos combustível e deveriam ser a evolução natural na indústria automobilística. Mas cadê que alguém lança híbridos no Brasil? Eu já escrevi um monte de vezes pra Toyota perguntando quando eles vão lançar o Prius aqui e sempre dizem que não têm planos. Enquanto o Gol faz 11,5 Km/l, o Prius faz 20. E tem carro novo que faz até 30!!

Postar um comentário

Mostre que é nerd e faça um comentário inteligente!

-Spams e links não relacionados ao assunto do post serão deletados;
-Caso queira deixar a URL do seu blog comente no modo OpenID (coloque a URL correta);
-Ataques pessoais de qualquer espécie não serão tolerados.
-Comentários não são para pedir parceria. Nos mande um email, caso essa seja sua intenção. Comentários pedindo parcerias serão deletados.
-Não são permitidos comentários anônimos.


Layout UsuárioCompulsivo