quarta-feira, 12 de maio de 2010

Avatar Voz do Além

Plano mundial de castração da internet é descoberto

  image

Existem duas ameaças sérias a Liberdade na internet. Uma é escancarada, e se constitui numa espécie de linha de batalha, com associações de direitos autorais mandando fechar sites, fóruns (tipo o nosso amado FARRA), comunidades do Orkut, e pintando os fundadores do Pirate Bay como os demônios culpados pelos erros de estratégia da indústria musical e cinematográfica. A outra frente é (ainda mais) suja, trabalha abaixo da lei, silenciosamente, e é potencialmente mais destrutiva do que todo o circo que os caras da primeira frente armam. Eles agem para detonar a neutralidade da rede, e isso é muito mais perigoso do que fecharem mil Mininovas.

Todo o mundo diz que a internet é livre, não tem dono. Sem dúvida é uma verdade… mas uma verdade teórica, pois em seu âmago, a internet tem seus donos. E os donos da rede são os operadores que controlam os backbones. Um backbone é um conjunto de equipamentos que serve para transmissão e codificação de dados de forma ultra-rápida e em grande escala (a escala de transmissão varia, e pode ser cidade-cidade, estado-estado, país-país, ou até continente-continente, como os imensos cabos submarinos que ligam Europa e EUA, por exemplo). Basicamente são inúmeros cabos de fibra ótica e cobre, e roteadores e servidores de distribuição nas pontas deles. É mais ou menos como uma BR que corta todo o Brasil, e tem diversas estradas menores saindo dela. No meio da estrada existem os pedágios, que têm regras simples: quem não paga, não passa. Os backbones são BRs “gratuitas” (Eu sei, BRs são gratuitas, mas é só para exemplo); elas têm pedágios, mas todos passam por lá, teoricamente sem “pagar”. Claro que temos exceções, mas que não incluem dados financeiros no processo.

Por exemplo: quando a Daniela Cicarelli não ficou feliz ao ver a transa dela com o namorado numa praia sendo visualizada por milhões de pessoas no YouTube, ganhou a causa; a Justiça não foi ao YouTube pedir a retirada do vídeo, ela foi nos donos dos backbones, que impediram o acesso de todos os brasileiros a todo o conteúdo do YouTube. Mas o sistema de bloqueio de dados não é tão sofisticado quanto aparenta. Como o tráfego é mamutesco, e necessariamente precisa ser feito em velocidades cada vez mais insanas, não pode existir uma triagem muito rigorosa. Então, o pedágio dos backbones trabalha com exceções, e não com regras.

Até que se prove o contrário, um pacote de dados é lícito e tem permissão para usar a rede, de forma que é necessária a criação de um parâmetro de bloqueio para impedir o tráfego deles via backbone. No caso da Cicarelli, os operadores de backbone do Brasil inseriram no roteador da rede deles um bloqueio aos números de IP do site do YouTube, de forma que quando um navegador do PC de um usuário brasileiro fizesse uma requisição de dados do YouTube, não haveria retorno de dados, pois o IP do site está bloqueado.

Como tudo no Brasil (e no mundo), os backbones são operados por mega empresas de comunicação. Por aqui, somente a BrasilTelecom, Telecom Italia, Telefônica, Embratel, Global Crossing e a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) operam com backbones, e esse tipo de concentração permite perigosos cartéis para impedir que usuários de um certo país acessem um determinado tipo de informação.

 

image

Essa semana, um plano de cartel foi descoberto nos EUA, após um dos seus articuladores mandar uma apresentação Power Point pro email errado. Ele consiste uma espécie de máfia dos backbones, que passariam a exigir suborno dos sites com muito tráfego de dados. No momento a coisa funciona da seguinte forma: por exemplo, o Google tem seus milhares de servidores secretos mundo afora, e quando usuários tentam acessar a home ou os serviços da empresa, vários pacotes de dados passam gratuitamente pelos backbones dos ISP, eles parecem que não estão muito felizes com isso.

A idéia deles é lucrar dos sites, e cobrar deles para que os dados trafeguem na velocidade máxima pelos backbones. Ou seja: eles querem ganhar duas vezes, já que nós, usuários, também pagamos pra usarmos as conexões. Se os sites não pagarem o suborno (só consigo chamar isso assim), os pacotes de dados deles terão suas velocidades reduzidas, e mesmo os usuários que pagam suas contas em dia, sofrerão as consequências de acessarem sites em velocidade reduzida. É como se a Volkswagen, Ford e Toyota (e todas as outras montadoras de carros) tivessem que pagar pedágios pelo fato de motoristas usarem rodovias com os carros montados por eles.

Nessa altura, talvez você ache que é até justo os ISPs cobrarem “aluguel” de sua infra-estrutura, afinal, os sites a utilizam. Mas as coisas não são tão simples assim. Os backbones e todo o resto da infra-estrutura de internet foram construído com forte subsídio estatal. Por muito tempo eles nem pagaram aluguel para usar as redes de esgotos e as galerias subterrâneas pertencentes ao governo, mesmo estando vinculados aos cabeamentos de telefone. E agora, mesmo não sendo tudo de graças para as telefônicas, os preços estão bem abaixo do que seria a taxa normal.

E ainda que continuem mamando nas tetas da fartura governamental, eles querem mais. Você deve estar pensando: “Qualé, cara, isso é nos EUA, nós estamos no Brasil!” Só não se esqueça que praticamente todas as empresas que operam backbones aqui são internacionais, e mesmo não sendo inteiramente americanas (como a AT & T e a Comcast), algumas delas têm parcerias com elas, o que deve ser um fator de preocupação.

O esquema para conseguir aprovar isso publicamente, seria parecido com o utilizado por grupos de petroleiros, como escrevi num post para o blog Vivo Verde. Já foram injetados milhões de dólares nas manjadas campanhas de lobby no Congresso, e na criação de grupos populares de manifestantes a favor da causa, todos eles apoiados por donos de telecoms e até por petroleiros. O site oficial da campanha é o Brutality Net, que beira o vergonhoso. O argumento de tais grupos é tão tosco - Quem apóia liberdade na internet é marxista - que dá pena… e medo, já que a população compra esse tipo de idéia facilmente. Outros grupos atuam em outras frentes também. Funcionários da Americans for Prosperity dissecaram os ataques feitos por Glenn Beck, comentarista da FOX News (SEMPRE ela) e um dos principais defensores da campanha na mídia, a neutralidade da rede.

Uma reunião foi feita no início da manhã de ontem entre representantes de lobbys dessas empresas para decidir pontos a se abordarem com o intuito de encerrar a neutralidade da internet de uma vez por todas. Em outras palavras: o mundo está arriscado a entrar num processo de polarização profunda num dos únicos territórios neutros que ainda existem. Imagine a cena: o seu ISP não recebeu subornos do Bing (é só um exemplo, sei que você não usa), e quando você faz pesquisas por lá, a velocidade cairá drasticamente. Até aí tudo bem, mas e sites como o Vimeo, que dependem de tráfego veloz para funcionarem de verdade, ou servidores de games? Tais sítios, que dependem de muita banda para funcionarem, seriam bastante prejudicados - assim como VOCÊ!

É só mais uma jogadinha pra mostrar como a Ditadura das Corporações está aí, mas com a multidão de coisas que ela coloca na frente de todos para serem compradas, poucos parecem perceber isso. Abra os olhos agora e troque uma idéia com o seu ISP para saber o que ele pensa à respeito, amanhã será tarde!

 

PS: Por isso respeito o protocolo Torrent, que envia e recebe dados encriptados, que não podem ser impedidos de passarem na rede (afinal, não se sabe de onde eles vêm), nem tão pouco podem ser decodificados. Em outras palavras: seus downloads estão garantidos mesmo no pior dos cenários.

PS 2: Hoje, a cNet publicou uma matéria mostrando que o tal Power Point era obra de estudantes de MBA, em uma competição na Flórida - eles ficaram em terceiro lugar. Até mesmo uma entrevista ridicularizando o artigo do Think Progress eles publicaram, mostrando um tom meio conservador em seu bojo. Para mim, soou mais duvidoso o texto da cNet, que focou somente nesse ponto para tentar derrubar a argumentação deles, e não olharam as outras provas. Não o descarto completamente, e nem mesmo deixei de lê-lo. Faça o mesmo. De qualquer forma, dois lados da história estão aí!

 

[Think Progress via Boing Boing]

5 Comentaram...

PAULO HENRIQUE DE DEUS disse...

È meu amigo a coisa dá feia. Adeus liberdade, adeus download, adeus tudo que de bom que a internet nos propicia. Mas com um pouco de sorte, talvez esse plano maligno não dá certo. Para podermos ficar livres dessa tirania funesta.

Rubens Ferreira disse...

O problema é que há mais idiotas querendo saber como vai acabar a merda de uma novela de uma emissora que também controla tiranicamente toda e qualquer informação e apoia qualquer governo, seja de esquerda ou direita, do que para para ler o texto e refletir sobre o assunto. E agora que se aproxima essa enganação chamada copa, vagabundo não tá nem aí para as falcatruas.
Aliás, a cada dia que passa acredito que revolução nessa nhaca só se acabarem com o pagode, a cachaça e a cerveja, as morenas loiras e os chifres. Fora isso estes proxenetas podem fazer o que quiserem com o povinho bunda, seja daqui, seja dos estados Unidos, China, etc...

Lucas Timm disse...

Acho que você não sabe, ao certo, como funciona a internet. Nem que as teles não são "amigueenhas" a ponto de fazerem cartel. Se uma só não topar uma coisa dessas, a lei da oferta e da procura cuidará do resto. E mais, as teles não são tão contáveis nos dedos, como você deixou subentendido no artigo.

Isso sem falar que, empresas do porte do Google, por exemplo, tem toda a infraestrutura disponível (e dinheiro, convenhamos) PARA se tornarem ASs, o que resolveria esse problema pra elas. Isso é, se já não são, nem me dei ao trabalho de pesquisar algum ASN de posse do Google, ou da Microsoft. Não lembro nem dos ASNs da minha operadora (GVT)... =]

Boa pesquisa!

A Voz do Além disse...

@Lucas Timm...

Em primeiro lugar, o artigo não fala especificamente de telecoms, mas sim de operadoras de backbones de grande escala, e nem todas as operadoras possuem infra-estrutura de backbone própria. Elas têm redes de distribuição urbana, mas dependem de outras teles para a chegada de dados (é o caso da GVT, que comprou a Geodex, mas não tem um alcance invejável).

O cartel seria formada pelas donas de backbones americanas, que poderiam impedir que usuários de outros países acessem sites de lá (e vários sites daqui estão hospedados lá, em BlueHost's da vida), incluindo trocas de emails e tudo o mais.

E mesmo que essas operadoras não sejam tão contadas nos dedos como você fala (e são SIM), somente a AT & T, a Comcast e a Verizon (que têm planos para formarem cartel, como demonstraram num caso de traffic shaping contra os torrents), respondem por mais de 80% dos tráfegos de dados das redes americanas, e isso é muito mais do que o suficiente. E outra: a lei da oferta não é tão simples nesse caso, já que redes podem ser FACILMENTE congestionadas por excesso de usuários (ainda mais com um crescimento de 300% de transferência de dados em pouco menos de dez anos, dados de 2008, o que indica uma tendência de crescimento ainda maior). E outra: para começarem a operar, Google, Microsoft e outras, precisam de autorização governamental, o que pode não rolar por causa de lobbys de telecoms.

Resumindo: mesmo que Google, Microsoft, Yahoo! e outras, comecem a se mexer agora para criarem uma infra-estrutura de backbones alternativa, a internet já parou até lá. Ou isso, ou povo tem que parar de baixar montanhas de vídeos...

Lucas Timm disse...

RFC1771.

Postar um comentário

Mostre que é nerd e faça um comentário inteligente!

-Spams e links não relacionados ao assunto do post serão deletados;
-Caso queira deixar a URL do seu blog comente no modo OpenID (coloque a URL correta);
-Ataques pessoais de qualquer espécie não serão tolerados.
-Comentários não são para pedir parceria. Nos mande um email, caso essa seja sua intenção. Comentários pedindo parcerias serão deletados.
-Não são permitidos comentários anônimos.


Layout UsuárioCompulsivo