segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Avatar Colaborador Nerd

WILCO WILL LOVE YOU

Por Jenny Taylor

 

Wilco (1)

“Quando falei para os meus amigos que iria fazer uma matéria sobre vocês, dez deles falaram: Nossa como você tem sorte! E outros dez perguntaram: O que é um Wilco?”

A fala não é minha e sim de uma repórter da CBS, mas é extremamente verdadeira. Wilco é o mais bem guardado segredo da música, a banda desconhecida mais conhecida em atividade. São 8 álbuns, algo em torno de 4 milhões de cópias vendidas e 2 mil shows feitos (sempre lotados).

Mas afinal, o que é um Wilco?

Em 1987 muitos de vocês ainda nem tinham nascido, mas em Belleville, IL, três jovens rapazes formaram o Uncle Tupelo, e sem muita pretensão, Jay Farrar, Jeff Tweedy (todas grita de paixão) e Mike Heidorn não só formaram uma banda, mas criaram um gênero, o alternative country ou simplesmente alt country. Pegaram o punk rock que ouviam, misturaram com o country que seus pais ouviam e voilá... história sendo feita.

A banda manteve-se até 1994 com relativo sucesso, principalmente entre os apreciadores de country e americana (para quem desconhece, Americana é a fusão entre ritmos tradicionais americanos como folk, blues, bluegrass, country e outros). Mas as coisas iam mal entre os meninos. Jay e Jeff não se entendiam mais e resolveram que era hora de cada um seguir seu caminho e 4 álbuns depois, os meninos de Illinois, que chamaram a atenção pelo que fizeram com a música country estavam sem ter o que fazer.

Ai sim, chegamos na parte em que eu explico o que é um Wilco. Jay juntou uma galera e criou o Son Volt (que eu, particularmente, gosto bastante também, mas deixemos para outro dia) e Jeff... bom, Jeff criou um.... vejam só que coisa... um Wilco. Antes que perguntem, Wilco é uma expressão usada na aviação, abreviando “will comply”.

O primeiro álbum, A.M., saiu ainda em 94 e era sem dúvida uma extensão do Uncle Tupelo. Não há praticamente diferença alguma entre os trabalhos. Já no segundo álbum, Being There, que é duplo, as coisas acenavam para uma mudança.

 

O terceiro, Summerteeth, consolidou essa mudança, enquanto Jeff tinha problemas no casamento (infelizmente não se divorciou, mas sigo na esperança) escreveu músicas mais pesadas, mais densas. Enquanto lançavam Summerteeth, trabalhavam em outro projeto, o Mermaid Avenue I e II, numa lindíssima parceria com o cantor Billy Bragg, onde gravaram canções inéditas da lenda folk, Woody Guthrie. Dessa parceria nasceria a primeira indicação do Wilco a um Grammy.

Mas seria em 2002 que o Wilco finalmente mostraria ao mundo com quantos analgésicos se faz um grande disco. Yankee Hotel Foxtrot foi como um bar mitzvah, onde os meninos deixaram de ser meninos e viraram homens. Só que com a vida adulta, vêm os problemas de adultos, a gravadora começou a apertar os rapazes por que nenhum prazo estava sendo cumprido e muito dinheiro sendo gasto, as tretas começaram a rolar e um Jeff cada vez mais dependente de analgésicos (Tweedy sofre de enxaquecas crônicas desde criança, chegando a fazer shows com um balde do lado para poder vomitar de dor, começou a abusar dos remédios, mas tá tudo bem agora depois de um período na rehab) começou a criar pequenas obras primas contemporâneas, como Ashes of American Flags e I’m Trying to Break Your Heart. Mas é aquela velha história: homens planejam, Deus ri. E quando o disco finalmente ficou pronto, a gravadora simplesmente se negou a lançar, por que era muito experimental e diferente do que eles faziam e a banda ainda foi gentilmente convidada a se retirar do cast do selo. Mas eles não se apertaram, logo a Nonesuch Records viu que tinha potencial pra caralho naquele trabalho e lançou o que a Reprise burramente chutou.

 

Hoje, Yankee Hotel Foxtrot é considerado um clássico moderno, incluso na lista dos 100 maiores discos da história pela Q Magazine e ainda a maior vendagem da banda.

Quem tiver interesse de ver essa treta toda pode procurar nas melhores lojas da internet, o documentário I’m Trying to Break Your Heart – A Film About Wilco. Sim, eles têm até documentário e você aí se perguntando o que é um Wilco.

A banda cresceu, amadureceu, e agora podia experimentar a vontade que todo mundo já sabia que sairia coisa boa. E o quinto álbum, A Ghost is Born, foi lançado. E Jeff finalmente foi se tratar para poder receber o primeiro Grammy da banda por melhor disco de música alternativa. No mesmo ano lançaram o Kicking Television: Live from Chicago, nome auto-explicativo né?

A rehab do frontman e compositor é um divisor de águas na história e no estilo da banda. É a hora que eles viram respeitáveis senhores, responsáveis pais de família e dedicados servidores de seus fãs. Wilco existe pros fãs, para os fãs e pelo fãs, e eles têm total noção disso. Exatamente por causa disso, são considerados umas das melhores bandas para se ver ao vivo. Também se tiverem interesse podem procurar por aí o Ashes of American Flags, que documenta uma turnê deles. Totalmente excelente! De se emocionar e pedir um abraço.

Sky Blue Sky, o sétimo disco veio menos experimental, mais sossegado, livre de remédios, livre de crises de pânico, livre de tretas entre os integrantes.

O oitavo e último disco chamado somente de Wilco é um presente, uma declaração de amor aos fãs. Wilco will love you, baby diz uma das músicas. É a coroação de quase 15 anos de dedicação e amor a música. A peça final num processo longo e por vezes doloroso de amadurecimento.

Wilco ainda é um segredo bem guardado da música, um incrível compositor com um vocal que segundo o próprio não passaria da primeira fase de American Idol e 8 belíssimos álbuns (aguardamos ansiosos pelo nono, agora em Setembro). Mas como eles conseguem fãs fiéis (depois de mim, Barack Obama é o mais famoso) e shows lotados, o próprio Jeff Tweedy explica: “Nós nos vendemos da forma mais antiga que existe, porta a porta.”

 

 

P.S já expliquei o que é Wilco. Não me peçam pra explicar o cabelo do Jeff por que também nunca consegui entender.

1 comentário

Richard disse...

Vamo escutar!

Postar um comentário

Mostre que é nerd e faça um comentário inteligente!

-Spams e links não relacionados ao assunto do post serão deletados;
-Caso queira deixar a URL do seu blog comente no modo OpenID (coloque a URL correta);
-Ataques pessoais de qualquer espécie não serão tolerados.
-Comentários não são para pedir parceria. Nos mande um email, caso essa seja sua intenção. Comentários pedindo parcerias serão deletados.
-Não são permitidos comentários anônimos.


Layout UsuárioCompulsivo