segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Avatar Colaborador Nerd

Air Doll: o valor da beleza em um mundo fugaz

Por Synthzoid, um dos NerDevils

image

Nos meus tempos de universitário, eu me deparei com o O Império do Efêmero, de Gilles Lipovetsky. Nele, o filósofo francês assinala a existência de um processo de personalização, capaz de tornar as sociedades pós-modernas apáticas e preocupadas com o próprio bem-estar, levando as pessoas a engajarem em experiências individualistas e hedonistas, sem preocupação com o espaço público. Nesta sociedade – a nossa sociedade – o amor não foi abolido, o que muda é o aumento de relacionamentos efêmeros que buscamos para encontrá-lo.

A efemeridade das coisas, do momento e da existência, foi isso que me fez pensar após ver Air Doll, dirigido por Hirokazu Kore-eda. Esta produção nos faz questionar o valor de nossa humanidade no cotidiano urbano, onde cada vez mais somos tomados pela apatia, pela solidão e a inevitabilidade da morte, levando-nos a derradeira pergunta: por que a beleza existe em um mundo onde tudo se tornou fugaz?

Air Doll começa explorando o cotidiano de Hideo, interpretado por Itsuji Itao (que faz o keyman em Tokyo Gore Police), um homem solitário, que conta com a companhia artificial  de sua boneca inflável, Nozomi (interpretada pela sul-coreana Bae Doona). Durante uma manhã, após Hideo sair para o trabalho, Nozomi descobre ter consciência, ou um “coração”, como ela mesmo diz, e se vê fascinada pelo mundo lá fora e as oportunidades que ele esconde.

Gostaria primeiro de comentar a escolha da atriz Bae Doona para o papel principal, que resultou em quatro nomeações em prêmios do cinema oriental. Para quem não a conhece – ou não lembra – ela já participou de outros filmes sul-coreanos de renome, como  Sympathy for Mr. Vengeance (o primeiro capítulo Trilogia da Vingança, de Park Chan-wook, que também integra o clássico Oldboy)  e o monster film com crítica sócio-ecológica The Host. Somado ao seu currículo de peso para as audiências ocidentais, o físico de Doona é impressionante, lembrando em muitos momentos, as feições de uma boneca, principalmente nas pernas e na cintura.

A trama ganha viés de contos de fada, pois ao raiar de cada dia, Nozomi vai as ruas explorar o mundo lá fora com um fascínio ingênuo e infantil; como uma verdadeira tabula rasa, ela aprende um idioma, o significado das coisas, as aflições humanas e eventualmente até o amor e o desejo sexual.

Ao explorar sua trama, Kore-eda não desperdiça simbolismos: Nozomi, embora descubra os encantos do mundo, jamais deixará de ser aquilo que é, uma boneca inflável, fisicamente perfeita, porém literalmente vazia por dentro, ainda assim, ciente de sua condição, Nozomi interagindo com uma série de coadjuvantes, procura entender a fragilidade da condição humana e o vazio existencial de cada um.

Entre os exemplos mais tocantes, se encontra um idoso que passa o final de seus dias solitário, sentado no parque; um hikikomori bulímico que ocupa seu dia comendo e uma trabalhadora que diariamente teme ser substituída por uma mulher mais nova e mais bonita. Essa relação de “vazio/preenchimento” é constante e faz parte da poética do filme, recomendo ao espectador um pouco da dedicação de sua atenção para esse fato.

O filme tem seu clímax inevitável no confronto de Nozomi com seu dono e posteriormente, com seu criador, assim como o fim de sua existência, embora seja encantadora e passional, não escapará da frivolidade daquele universo. Alguns devem argumentar que a breve jornada de Nozomi não é apenas em descobrir sentido para sua recém despertada humanidade, mas também buscar um meio para desconstruir sua condição como objetivo.

Air Doll é um belo filme arte, que desperta pensamentos inquietantes e nos faz questionar o valor das coisas. Recomendo não apenas para os fãs de cinema oriental, mas também aqueles que buscam uma alternativa aos romances saturados e idílicos que Hollywood insiste em disseminar.

 

4 Comentaram...

Shinobi disse...

Esse filme me surpreendeu muito.
Achei que fosse muita galhofa, quando li a sinopse que era sobre um cara e sua "boneca inflável", mas realmente o filme me surpreendeu.
Como na maioria dos filmes orientais, eles exploram ou maximo os sentimentos pessoais de forma bem realista que se comparado a realidade é perfeitamente aceitável no mundo real, sem mulheres super lindas e caras sarados pegadores com problemas sexuais mal resolvidos.
Excelente POST..!!

Anônimo disse...

Valeu pelo post cara, tava pensando em ver esse filme, mas ser um adolecente que está assistindo um filme sobre uma boneca inflável é complicado. Mas agora eu crio coragem.
Essa idéia do filme me interessou pq é similar ao conto da mitologia grega de Galathea, uma estátua por qual o escultor se apaixonou e os deuses, apiedados da condição dele, deram vida à sua criação.
Valeu cara, tava precisando de um bom filme artístico pra assistir,post muito útil.

Anônimo disse...

Excelente. Fotografia e planos inesquecíveis. Interessante os contrastes que o filme nos brinda. A atriz tem uma candura e um carisma impressionante. Bravo!!!

Anônimo disse...

onde posso encontrar este filme???

Postar um comentário

Mostre que é nerd e faça um comentário inteligente!

-Spams e links não relacionados ao assunto do post serão deletados;
-Caso queira deixar a URL do seu blog comente no modo OpenID (coloque a URL correta);
-Ataques pessoais de qualquer espécie não serão tolerados.
-Comentários não são para pedir parceria. Nos mande um email, caso essa seja sua intenção. Comentários pedindo parcerias serão deletados.
-Não são permitidos comentários anônimos.


Layout UsuárioCompulsivo