segunda-feira, 20 de junho de 2011

Avatar Voz do Além

Lulz Security - os crackers da zuera

 

image

O ambiente virtual segue regras do mundo “real”. As medidas punitivas só podem ser aplicadas posteriormente a um acontecido, e servem basicamente para criar um exemplo que tem potencial para evitar que outros repitam o processo. Isso responde a pergunta que alguns amantes da ordem fazem continuamente: como impedir que uma pessoa assassine outra? Ou que um grupo toque o caos no meio da cidade? Resposta simples: a não ser que se instale um aparato de “inteligência” extremamente rigoroso e criminoso, você não impede. Tem que investir em educação e igualdade social para manter a população com a cuca longe dos crimes.

E sim, nossas leis devem continuar com a suposição que todos são inocentes e não irão cometer crimes, pois do contrário está aberta a instituição de um Estado policial e paranóico, como várias décadas do regime soviético, ou os anos do Macarthismo.

Mas isso não impede alguém de se proteger, principalmente se viver num canto meio perigoso do planeta. E exatamente aí está a diferença entre a internet e o mundo “real”: no ambiente online TODO canto é perigoso, pois qualquer um pode alcançar qualquer um. Isso significa que, se alguém invadiu a estrutura da PlayStation Network, pode invadir a Xbox LIVE também, não existem limitações geográficas ou outro tipo de barreira. É algo óbvio, um alerta pra outros se protegerem, e não foi bem isso que rolou.

Quem começou com a história de forma mainstream foi o Anonymous, que misturou crackerismo com ativismo e reforçou que o ambiente virtual poderia ser palco de mini-revoluções muito mais impactantes do que os críticos do ciberespaço poderiam prever. Além disso, mostrou também que a tal Geração Y, Pós-Moderna ou qualquer rótulo que se invente, é realmente uma geração sem identidade ou sem causa, sob muitos aspectos.

E isso ficou mais patente com o aparecimento do grupo Lulz Security - LulzSec, pra facilitar. Bem mais agressivo e destrutivo que o Anonymous, o grupo mostrou que seu nome muito tinha a ver com seu modus operandi: era tudo em nome da diversão, sem qualquer preocupação ativista.

Mostra disso rolou na terça-feira (15), chamada #TitanicTakeoverTuesday. Resumidamente, foi o dia de inutilizar através de ataques distribuídos de negação de serviço (DDoS) diversos sites de jogos massivos, como Minecraft e EVE Online, o que não deve ter agradado os milhões de jogadores que jogam os games. Quatro dias antes disso, o site da revista The Escapist rodou sem fazer barulho - o Lulz disse que usou apenas o,4% de seu poder de fogo pra tirar o site do ar. League of Legends foi outro jogo que teve seus servidores arregando.

Agora a pergunta: Por que? Pela diversão, respondem eles. Pela falta de aparentes padrões e critérios nos ataques, isso poderia realmente ser verdade, embora não seja fácil de acreditar que pessoas coloquem em risco - de forma meio remota, é verdade - suas liberdades somente pela diversão (ou pra se sentirem parte de algo, nunca se sabe). Ou quem sabe, mostrar que efetivamente nada ou ninguém está a salvo na selva da internet.

 

image

Pois bem, a audácia do grupo não parou por aí. Após ser desafiado no Twitter com a frase “vocês só pegam peixe pequeno”, eles resolveram dar um passo além… e tiraram do ar o site da CIA, a tal agência de “inteligência” americana”. Não foi nada estrondoso e durou poucos minutos, mas se levarmos em conta que eles também derrubaram o site do Senado americano e de uma firma de segurança digital, parece que o poder do Lulz realmente não é tão desprezível assim.

Horas depois, eles vazaram mais de 60 mil senhas de sites que não divulgaram, para pânico geral. O Hackers News divulgou que eram senhas da rede social para leitores Writespace.com, mas como medida de segurança, o Gizmodo US criou um esquema pra você consultar a lista de emails vazados e saber se o seu tá na roda.

Uma coisa é ainda mais importante nesse monte de histórias: assim como o Anonymous, ninguém sabe de aonde vieram ou o que pretendem os Lulz. Alguns dizem que são dissidentes da board /b/, do 4Chan, enquanto outros afirmam ser eles uma invenção da própria CIA, para fazer todo o ficar com medo e aceitar mais facilmente as leis que castram a liberdade na internet. Eu só sei que não duvido de nada.

Uma coisa é certa: ninguém que usa a internet tá a salvo nessa história.

 

[Via MeioBit]

1 comentário

Anônimo disse...

Super Hide IP allows you to surf anonymously, maintain your IP address concealed,
protect your personal information against hackers and provide full security of your online activity, all
with a simple mouse click. Besides, it is simple to change
between fake IP and real IP by simply clicking some control of Hide
IP or Quit Hide.

My weblog - easy hide ip registration key

Postar um comentário

Mostre que é nerd e faça um comentário inteligente!

-Spams e links não relacionados ao assunto do post serão deletados;
-Caso queira deixar a URL do seu blog comente no modo OpenID (coloque a URL correta);
-Ataques pessoais de qualquer espécie não serão tolerados.
-Comentários não são para pedir parceria. Nos mande um email, caso essa seja sua intenção. Comentários pedindo parcerias serão deletados.
-Não são permitidos comentários anônimos.


Layout UsuárioCompulsivo